Follow by Email

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Seguidores

domingo, 12 de junho de 2011

AO MÉDICO

Por certo, nem te lembras, (tão criança
Eras naquele tempo...) e, no entanto,
um homem, quanta vez, mudou o pranto
De teus pais em sorriso de bonança!

Por certo, nem te lembras (já te cansa
A memória, talvez...) um dia, entanto,
Êsse homem terá sido mais que um santo,
Salvando o filho teu - tua esperança!

O bem que se recebe a gente esquece...
Sòmente a dor jamais será esquecida:
Enfim: quem a curou... desaparece!...

Mas, se êste poema, acaso, te enternece,
Ama teu médico, através da vida!
Lembra-te dêle, ao menos, numa prece!

Álvaro Albuquerque

Nenhum comentário: